Fundamentos

Sombra Silêncio

Assim descreve Carlos Poças Falcão, numa breve nota final, os poemas reunidos em Sombra Silêncio: «Cançonetas de um Verão que logo passam, mas que para sempre ficam ligadas à memória mítica de um rosto, de um clima, de um lugar – assim estes poemas. Em caso algum me biografei. Mas em todos eles me vejo e me estranho».

Trata-se de uma obra que merece aqui ser in-vocada, chamada para o espaço de leitura, de escuta e de conversação. O poeta vimaranense oferece-nos nestes poemas, numa linguagem sóbria e despojada, um caminho de entrega e confiança pessoal onde Deus surge como um tu, em ritmo e entoação sálmica. O desejo de oração e de escuta entrecruza-se com a nostalgia de um espaço de silêncio e de confiança, onde o corpo e os sentidos são uma abertura ainda por purificar na busca do Mistério.

«Se conseguisse apenas caminhar, quando caminho;
apenas inspirar e expirar; orar apenas,
em estado de oração – seria um vivo; os meus sentidos
noticiavam Deus ao mesmo Deus, em transparência»

«Daqui, deste ruído, serei eu, Senhor, capaz
de te ouvir? Parece que meus olhos são mais prontos
a ver só as fissuras, os derrames e as úlceras
que assomam dos infernos – mas estão cegos para ti
embora tu os limpes, lhes dês luz e os procures.»

Nota-se um registo pessoal, de leitura do percurso já feito, meditado, em que a noite e o dia se entrelaçam numa sociedade em que o brilho das luzes e o ruídos das comunicações pedem um outro tipo de olhar e de escutar, de palavras e de gestos. O Mistério revela-se como Sombra e Silêncio, apontando-nos páginas bíblicas como a do episódio de Elias na montanha (1Reis 19, 12), ou da Anunciação a Maria (Lucas 1, 35). Mas nestas páginas somos reconduzidos também, por exemplo, à poesia de Fernando Echevarría, ao Diário de Dag Hammarskjöld ou às lúcidas análises de Eduardo Lourenço.

«Neste humanismo abafa-se – e não sem um tremor
armamo-nos dos verbos de um programa insubmisso:
calar e apagar, desconectar, desaparecer.
Manda a democracia que falemos? Nós calamos.
Exige o espectáculo mais brilho? Apagamo-nos.
Devemos estar em rede e ao serviço? Desligamo-nos.
A Coisa Absurda chama-nos? Ah, não comparecemos!»

Nos ritmos preenchidos e aparentemente caóticos do quotidiano, a poesia surge-nos como um convite à simplicidade da linguagem, à leitura demorada das letras e dos sinais, à vigilância diante do Mistério que visita o nosso real. Sombra Silêncio contém, sem dúvida, esse convite.

«Foi numa dessas horas que descobri que Deus
não passa bem sem mim – o que não me indigna
e também não me alivia da grande liberdade. Afinal
ser homem para Deus é o sabor inicial.»

 

Carlos Poças Falcão, Sombra Silêncio, Ed. Operaomnia, Guimarães 2018, 64 páginas.

Deixe uma resposta

@wpshower

Feeds

Susbscribe to our awesome Blog Feed or Comments Feed