Fundamentos

Vésperas

Van Gogh (1890)

Espera

Deito-me tarde
Espero por uma espécie de silêncio
Que nunca chega cedo
Espero a atenção a concentração da hora tardia
Ardente e nua
É então que os espelhos acendem o seu segundo brilho
É então que se vê o desenho do vazio
É então que se vê subitamente
A nossa própria mão poisada sobre a mesa

É então que se vê o passar do silêncio

Navegação antiquíssima e solene

Sophia de Mello Breyner, Geografia

De O Deus Nu(lo) de António Ramos Rosa

«As palavras começam a vibrar. O vazio fala, o silêncio anima-se. Talvez esteja perto, no rumor da distância. Sinto o acolhimento do visível. Que se passa? Não ouço o deus da angústia e da miséria, mas a sua ausência tornou-se como que próxima e o seu silêncio é, talvez, uma manifestação de confiança, de acolhedora reserva. Todavia, o que escrevo não é ainda a dádiva da confidência pura. A minha linguagem não tem a transparência de um agradecimento silencioso. Escrevo no entanto porque escrever é a condição da experiência do encontro. Ele espera-me, talvez, na brancura que atravesso». (In Poesia Presente, p. 174).

De O Livro da Consolação de Mário Rui de Oliveira

Objects in the mirror are closer than they appear

Deus é curioso
por vezes aparece
na fulguração
mesmo junto a ti

outras desaparece
com o latir longínquo
dos cães abandonados (p.12)

(…)

Ad invitatorium

ó Deus
não fiques calado
não permaneças mudo
e inerte como estes que me rodeiam

escuta o meu grito
o jejum manto da minha alma
estas lágrimas portas de Sião

ali eu nasci
e sou cardo seco
que vou rodopiando (p.17)

Quarta-feira II

Deus, pelo poder que exerce em nós,
é capaz de fazer mais, imensamente mais
do que possamos pedir ou imaginar.
Glória a Ele, na Igreja e em Cristo Jesus,
em todas as gerações, pelos séculos dos séculos. Amen.

Ef 3, 20-21

Quarta-feira IV

«Sabemos que o conhecemos por isto: se guardamos os seus mandamentos.
Quem diz: «Eu conheço-o», mas não guarda os seus mandamentos
é um mentiroso e a verdade não está nele;
ao passo que quem guarda a sua palavra,
nesse é que o amor de Deus é verdadeiramente perfeito;
por isto reconhecemos que estamos nele.
Quem diz que permanece em Deus também deve caminhar como Ele caminhou».
1João 2, 3-6

Guarda-nos, Senhor, como a menina dos olhos.
Caminhar como ele; poderemos falar desta maneira?
Será uma inapropriação da linguagem?
Somos nós, na história, no cosmos das decisões, quem caminhamos.
Sim, é em Jesus que Deus caminha. É ele o caminho.
E não só caminhar, como permanecer. Qual das duas atitudes a mais difícil?
Quando me pede a palavra que caminhe, e quando me pede que permaneça?
Guarda-nos, Senhor, como a menina dos olhos.


Terça-feira IV

«A palavra de Cristo habite em vós com toda a sua riqueza:
ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria;
cantai a Deus, nos vossos corações, o vosso reconhecimento,
com salmos, hinos e cânticos inspirados».
Colossenses 3, 16

Dar-me-ás, Senhor, a alegria plena em tua presença.
E cantar no meu coração. Cantar o reconhecimento,
a humildade, a gratidão, a confiança, a súplica, o perdão.
Cantar-te, sempre. Deixar-me habitar pela tua palavra,
pela tua alegria, plena, sempre plena.
Pela tua presença…

Deixe uma resposta

@wpshower

Feeds

Susbscribe to our awesome Blog Feed or Comments Feed