Fundamentos

O Abandono de Deus

O abandono de Deus

Tomás Halík, Anselm Grun | Paulinas Editora | 224 páginas

O teólogo checo Tomás Halík e o monge beneditino alemão Anselm Grün são dois autores já conhecidos entre nós, através de diversas obras publicadas, e representam certamente dois dos mais originais e fecundos pensadores cristãos no contexto europeu. O diálogo criado no livro O abandono de Deus – nos quais se entrecruzam capítulos escritos por cada autor, para culminar numa entrevista em conjunto – transporta o leitor para uma reflexão profunda e profícua sobre a experiência da não-evidência da fé.

Nesta obra, a realidade do ateísmo é abordada de um modo sério e respeitoso. O ateísmo é lido na sua realidade múltipla: há o chamado ateísmo militante, que recusa a possibilidade de uma experiência religiosa; e há a experiência da ausência ou da não-evidência de um encontro com Deus, motivada pelas circunstâncias que marcam a vida e a história de uma pessoa, da cultura à sociedade.

Os autores respondem ao repto lançado por Teresa de Lisieux no final da sua vida, nos seus diários, de sentar-se à mesa com aqueles que não encontram sentido na experiência crente e de partilhar do seu alimento, isto é, de um abandono de Deus. E aqui reside o contributo essencial do livro: longe de se colocarem numa posição de juízo ou de disputa (argumentando a favor do ato religioso ou contra uma opção de vida não-referente a Deus), os autores refletem sobre as difíceis dimensões de busca e ausência da fé: também os crentes vivem as dificuldades da experiência religiosa, de um mistério de Deus que está para lá dos sentidos, dos horizontes do humano e dos sistemas de pensamento.

Crentes e não-crentes estão unidos nos laços de uma humanidade visitada pelo dom divino que, ao mesmo tempo, se oculta na simbólica das coordenadas históricas. Assim, o leitor encontrará, na escrita de Halík e de Grün, um rico e muito frutuoso testemunho sobre a sua própria experiência de fé. As dúvidas, angústias e perguntas são o alimento para um caminho de procura, só possível com uma fé amadurecida: quem não se interroga, não sente necessidade de respostas.

Deixar uma resposta

Feeds

Susbscribe to our awesome Blog Feed or Comments Feed