Fundamentos

Um Sentido

“The Three Marys”, Henry Ossawa Tanner, 1910

A dado momento, durante uma homilia pascal, Agostinho de Hipona interroga-se sobre o motivo pelo qual a Ressurreição de Jesus foi primeiramente anunciada pelas mulheres. A resposta que encontra é, no mínimo, original.

No relato bíblico sobre a queda, em Génesis 2, 25 – 3, 24, há uma mensagem que provoca a rutura do casal primordial com a sua vocação: trata-se da insinuação que a figura da serpente apresenta à mulher, Eva: «Não, não morrereis; porque Deus sabe que, no dia em que o comerdes, abrir-se-ão os vossos olhos e sereis como Deus». Segundo o texto, a mulher acreditou nesta insinuação, assim como o homem. A mentira, a desconfiança e o desejo violento de posse traçam, desde as origens, a história da humanidade.

Assim, para Agostinho, tal como o anúncio de morte foi transmitido de uma mulher para um homem, assim também o anúncio da vida deveria ser transmitido das mulheres para os discípulos varões. A dinâmica pascal da vida, da esperança e da confiança emergem do mesmo Jardim onde se havia dado a queda. Trata-se de um novo nascimento.

E aqui entra o mais curioso: Agostinho nota como, ao contrário da insinuação primordial, os discípulos têm dificuldade em acreditar. Adão não apresentara obstáculos à mensagem dada por Eva; mas os discípulos consideram as palavras das mulheres como um desvario (Lucas 24, 11).

Talvez seja esta a condição que nos acompanha: mais facilmente cremos (damos crédito) numa mensagem de defesa, de desconfiança e de rutura, do que numa mensagem de confiança, abertura e sentido. Há uma necessidade de seguir os sinais – as ligaduras, a pedra removida –, sem deles, no entanto, possuirmos uma certeza plena de seguranças. Que este Tempo Pascal nos ensine algo desta linguagem.

Deixe uma resposta

Feeds

Susbscribe to our awesome Blog Feed or Comments Feed